Picture of a sphere with binary code

Making Strathclyde research discoverable to the world...

The Strathprints institutional repository is a digital archive of University of Strathclyde research outputs. It exposes Strathclyde's world leading Open Access research to many of the world's leading resource discovery tools, and from there onto the screens of researchers around the world.

Explore Strathclyde Open Access research content

Influencias Ficcionais

Charley, Jonathan (2012) Influencias Ficcionais. Arquitectura E Arte, 13. ISSN 1647-077X

Full text not available in this repository. (Request a copy from the Strathclyde author)

Abstract

Influências Ficcionais | Perspectivas CríticasProfessor University of Strathclyde, Membro fundador GLAS, Co-editor "Writing the Modern City" arqa: Tendo em conta a sua investigação arquitectónica, de que forma lhe interessa a questão da arquitetura e/na/como ficção? Jonathan Charley: Ia precisar de uma biblioteca para identificar e isolar as múltiplas formas em que a arquitetura e a ficção se encontram, sobrepõem e por vezes se fundem. Algumas das questões levantadas por este debate são exploradas num livro que coeditei recentemente chamado Writting the Modern City - Literature, Architecture and Modernity. Mas a resposta mais simples é que eu, como a maior parte das pessoas, gosto de histórias e de contar histórias. Tudo começa e acaba com uma história, ficcional ou outra, e não consigo conceber um edifício, um livro, ou mesmo qualquer outro objeto material ou cultural que não tenha uma história para contar, se o deixarmos falar. É também por isso que, do mesmo modo que não consigo conceber um edifício sem "enredo", em termos das suas funções, da experiência sensorial quando o utilizarmos, ou do seu papel ideológico, também não consigo pensar num romance que não esteja baseado nalguma conceção de espaço e de tempo, quer se trate de um edifício particular, um panorama urbano ou uma área geográfica. Então, é num sentido muito real que tanto os textos literários quanto os edifícios podem ser encarados como narrativas, que são guiadas pela relação dinâmica entre tempo, espaço e realidade social. Um dos meus projetos atuais, que apresentei na generalidade no ano passado em Lisboa, é o que descreveria como uma "viagem literária através do imaginário arquitetónico". Tenho um fascínio particular pela história dos romances e filmes que são célebres tanto pela sua poderosa presença "cronotópica" como pela forma como que apresentam uma crítica da sociedade e do desenvolvimento urbano contemporâneo. É, particularmente, o caso dos romances e filmes que exploram a dialética entre utopia e distopia. Nestas obras a narrativa está inimaginavelmente fora do tratamento particular do espaço e tempo do autor, ao ponto de que, nalgumas produções literárias e cinematográficas, uma cidade ou edifício ter uma presença tal que assume o papel de uma personagem. É o caso de romances como o We de Zamyatin, Bend Sinister de Nabokov, Metropolis de Karinthy, The Lathe of Heaven de Ursula Le Guin e das obras de Ballard como High Rise e Super-Cannes. Como obras ostensivas da "ficção", estes romances têm frequentemente mais a dizer sobre a realidade social e a natureza real da cidade do que os escritos urbanísticos que se prtendem objetivos.